Este fim de semana devo ter quebrado o meu record de ultrapassagens na EN222 entre o Pinhão e a Régua. Foram pelo menos 15 ou 20 nos quarenta minutos que durou a viagem.

    Em tempos dizia-se na televisão que a EN222 deveria ter um sinal de proibido andar a mais de 40 km/h para que todos os que nela pass(e)assem pudessem desfrutar convenientemente da paisagem. O que se calhar o autor desta “interessante” declaração não percebeu ou não sabe é que há quem use a estrada para trabalhar e se deslocar de forma rápida. Neste contexto não é aceitável encontrar condutores de fim-de-semana a entupir o tráfego da EN222 e colocar em perigo os restantes condutores. Até porque a condução a baixa velocidade em estradas cujo limite é de 90 km/h é bastante perigosa.

     Note-se que a EN222 tem algumas partes muito boas em termos de traçado. Mesmo a generalidade das curvas entre a Foz do Távora e a Barragem de Bagauste são bastante generosas permitindo a circulação no limite legalmente estabelecido. Ora se regularmente aparecerem condutores domingueiros a velocidades ridículas e a circular no meio da faixa estes estarão obviamente a colocar em causa a sua e a segurança dos restantes.

     As pessoas não devem esquecer que quando estão de férias ou em passeio os restantes podem não estar e podem mesmo precisar de se deslocar de forma mais rápida do que um passeio de Domingo. Nesta altura no Douro decorrem as vindimas e o próprio acréscimo significativo de tráfego nas principais vias devido à normal labuta agrícola é já por si suficiente para tornar todo este cenário ainda mais perigoso.

     Não sou adepto de alta velocidade (excepto a ferroviária) mas também não sou adepto da insegurança. Aquilo que se passa na EN222 todos os dias por parte de turistas condutores é uma situação grave de insegurança que espero nunca se revelar fatídica. Facilmente se percebe que neste cenário as ultrapassagens, talvez a manobra mais perigosa de condução, são mais recorrentes.

     E como solução para o problema deixo uma sugestão e/ou apelo: aqueles que querem realmente desfrutar da viagem e não querem por em causa a segurança dos demais usem o comboio. A viagem entre a Régua e o Pinhão e quem sabe até ao Pocinho é magnifica, a uma velocidade razoável e que permite explorar as magnificas paisagens da nossa região… eu já o fiz por prazer duas vezes este ano… talvez ainda vá repetir antes do frio.

 

 

 Luís Manuel Almeida

sinto-me:
publicado por Luís Almeida às 00:00