Lamentável.

Esta é a única expressão e adjectivo que me ocorre quando passo novamente os olhos pela imprensa escrita, reportagens de televisão, comentários, opiniões, entrevistas e sei lá que outras balelas propiciadas pelo acidente no Tua.

Só ontem foi encontrado o terceiro desaparecido e talvez só agora de deva realmente falar sobre o assunto já que a paz de espírito das famílias sobressaltadas por este trágico acidente só agora se vai aproximando. Mas é importante que não esqueçamos o quanto especulações infundadas podem atenuar o sofrimento daqueles que já sofreram mais do que deveriam.

Começo por me referir à noite do incidente. A contra-informação dada pelos órgãos governativos, sem qualquer fundamento e baseados em meras especulações deveria culminar na demissão imediata da secretária de Estado dos Transportes. Ana Paula Vitorino que tanto tem prejudicado esta região. Tal secretária de estado tem aparecido vezes sem conta em diversas campanhas junto da comunicação social a vangloriar-se muitas vezes de feitos para os quais nada contribuiu. Surpresa das surpresas, ou não, é o continuado silêncio sobre esta matéria que se estende ao próprio Mário Lino. Não fosse a maioria socialista e estas duas personagens teriam que penar na Assembleia da República perante perguntas para as quais não teriam resposta. Mas já é hábito o PS fazer uso da sua maioria para encobrir as trapalhadas dos seus ministros.

Eis que surge no domingo o Bastonário da Ordem dos Engenheiros, qual certeza cientifica, de que o problema se deve à falta de manutenção. Numa coisa acertou, há poucos técnicos, mas e então o investimento tão amplamente anunciado pelo presidente da Câmara de Mirandela que reconhece o esforço que tem sido feito.

Lamentável que senhores de Lisboa, sentados no poleiro e com desconhecimento total das circunstâncias aumentem o clima de especulação amplificado pela comunicação social. Senhores que não sabem nada de nada porque passam os dias em gabinete, digo eu, sem janelas e que apenas contribuem para a confusão geral de uma população ainda atordoada com a surpreendente absolvição do caso de Entre-os-Rios e que presencia assim mais uma tragédia. Não digo que a absolvição esteja errada mas se calhar não foram encontrados os verdadeiros responsáveis.

Na questão do Tua há desejo de sangue. Há empresas que se preparam para utilizar este acidente como meio de conseguir lucrar, lamentável e repugnantemente, há entidades necessitadas de mostrar a sua utilidade que usam todos os meios para caírem nas boas graças dos português, mas repugna-me que muito poucos se interessem com as verdadeiras questões subjacentes a este trágico acidente.

Desejo sinceramente que a comunicação social esqueça este acidente para que não torne ainda mais dolorosa a vida daqueles que não esquecerão este acidente. Desejo que os senhores de Lisboa que prontamente apontam dedos saíam dos seus gabinetes antes sequer de abrir a boca para dizer baboseiras. Quantos deles estiveram no Tua, quem do governo esteve no Tua??? São muitas questões… Sobretudo que se lembrem que Trás-os-montes existe e se algum uso devemos tirar deste trágico acidente é que temos os mesmos direitos que os de Lisboa. Devemos ter o mesmo nível de vida e as mesmas condições e a linha do Tua tal como a do Douro devem ser urgentemente recuperadas em toda a extensão e lá colocados os sistemas de derrocada já em uso no nosso país para que não se façam manchetes com mais acidentes.

Se há culpados, são os sucessivos governos que têm votado ao abandono a nossa região…

 

Luís Manuel Almeida

MsC Engenharia Civil

IST-UTL Lisboa 2007

 

 

PS: Ao Orlando, vizinho e amigo de tantas brincadeiras de infância, desejos de rápidas melhoras e força, muita força para ultrapassar esta adversidade.

tags: ,
publicado por Luís Almeida às 16:13