Sei que o Carnaval já lá vai há algum tempo mas considero só agora estarem reunidas todas as condições para abordar o desfile e o evento.
Não vou falar propriamente sobre a organização, deixo apenas a nota que considero positivo que mais uma tradição não caía por terra e desejo as maiores felicidades ao grupo que decidiu executar as festividades de Nossa Senhora da Conceição este ano apresentando desde já a disponibilidade do site www.pinhao.com.sapo.pt para acções de promoção.
Comentarei então aquele que foi o assunto a meu ver mais enfaticamente abordado, e bem, no corso: o Sporting Clube do Pinhão e pelo apelo dos jovens em que se faça algo por eles, em particular a reactivação do clube.
Os tempos são difíceis e quando a economia não é favorável a manutenção de um clube de futebol torna-se complicada. Apesar disso considero que há condições para renascer o clube que tantas glórias e tardes bem passadas deu ao Pinhão. Recordo vagamente os jogos no campo, meio caminho para Casal de Loivos.
Há cerca de um ano foi mesmo discutida por um particular com a Junta de Freguesia do Pinhão a criação de pelo menos uma equipa de futsal que pudesse militar na 3ª Divisão Nacional. As questões económicas suscitariam exactamente esta variante para mais tarde consolidar o clube de futebol. Nada foi feito mas os jovens, cansados de jogar no Pesqueira e outros clubes, exprimiram o desejo de jogar por amor à sua camisola: à camisola do Pinhão. Vamos lá ter um pouco de ambição e partir para um projecto que além do panorama desportivo poderia dinamizar a vila a variados níveis.
Para concluir, duas notas. A primeira ainda sobre o Carnaval e a participação de Vale de Mendiz e de outras freguesias circundantes numa colaboração que apenas lamento não ser mais extensiva. Felizmente a nível político essas freguesias parecem convergir embora tal apenas se vislumbre num longo prazo que poderá ser asfixiante.
A segunda nota para algo que não afectando o Pinhão directamente devemos ter em consideração: o encerramento das urgências da Régua. Depois do anuncio de abertura de privados em algumas cidades onde se consumou o encerramento questiono se os encerramentos se destinaram a dar lugar ao investimento privado ou se se tratou de um erro do Ministério da Saúde e que os privados estão a aproveitar.
Na próxima semana vou abordar a questão do Plano de Pormenor do Pinhão e das obras que estão em curso na marginal da praia depois de uma polémica que me foi explanada pelo Sr. Francisco Silva e que terei o prazer de aqui abordar pedindo desculpa pelo atraso.
 
Luís Manuel Almeida
Msc Ciências de Engenharia
IST-UTL Lisboa 2007
publicado por Luís Almeida às 18:59