Admito que não estou surpreendido. Depois de passar os olhos pelas listas do PS para Alijó vejo claramente que a prometida renovação não passou de fumo branco:

 

- Entre alterações nos candidatos à Câmara, que não aconteceram;

 

- Trocas na ordem dos vereadores, que não aconteceram;

 

- O lançamento do sucessor de Artur Cascarejo, que não acredito ser o Prof. Figueira

 

- Introdução de gente jogem e nova na máquina partidária, que não aconteceu

 

- Novas vereadoras que afinal são candidatas a juntas de freguesia e se preocupam mais com as outras freguesias do que com aquela que terá que vencer ao PSD.

 

Enfim, um conjunto de promessas que não passou disso mesmo. A lista à Câmara é a mesma, violando a lei da paridade que o próprio PS "inventou" e queria mesmo que a sua violação determinasse a exclusão das eleições, não fosse a intervenção do Presidente da República. 

 

Fica o PS entre mãos com um problema para resolver: como vai ser daqui por quatro anos, admitindo que vencem este ano as eleições. Não há sangue novo nas bases locais do partido, não há sucessor bem definido a Artur Cascarejo, a grande maioria dos candidatos este ano são-no pela ultima vez... Há muitas dúvidas que eu creio que quatro anos são pouco tempo para resolver. Creio que há quatro anos atrás, mas definitivamente agora deveria aparecer a pessoa que continuará na saída de Artur Cascarejo e se olharmos para o elenco executivo o mais bem posicionado será o Eng. Luís Azevedo que é, o terceiro da lista e terá que formar uma equipa totalmente de raíz, a partir de umas bases que não tem quaisquer referências. 

 

Aliás este é o problema do partido socialista em Aijó. Um partido que por razões estratégicas se aproximou do eleitorado jovem a nível nacional e nele se concentrou para evitar a dispersão dos votos por uma esquerda mais radical mas que em Alijó teima em alimentar-se dos seus “históricos” que muito em breve passaram à reforma deixando um partido sem qualquer referencia. Quando o poder está muito tempo nas mesmas mãos estes vícios atenuam-se e tornam-se fatais.

 

Falta saber se o PS não será castigado já este ano nas urnas e uma reviravolta acontece na Câmara Municipal e nas principais freguesias do concelho onde o PSD apostou forte. E se os socialistas se tem fartado de encontrar criticas no trabalho “laranja” há algo que não poderão negar. Miguel Rodrigues fez o trabalho das bases, reagrupando o PSD-Alijó e conferindo-lhe uma nova dimensão que andava perdida desde a derrota eleitoral para o Dr. Joaquim Cêrca, já lá vão 16 anos.

 

Aos “laranjas” não faltou medo em renovar os quadros, em apostar nos jovens, e albergar projectos independentes sem pedir nada em troca, em promover o partido de baixo para cima com uma seriedade que o PS outrora teve e que lhe valeu as principais vitórias das ultimas duas décadas… mas que parece ter esquecido.

 

A análise cabe aos eleitores, aos analistas, no caso bloguistas, resta reunir meia dúzia de evidencias e teorizar sobre elas. As conclusões pertencem a cada um, de hoje a um mês

 Luís Almeida

publicado por Luís Almeida às 20:52