Independentemente dos resultados do próximo Domingo há claramente um partido que se destaca pela qualidade da campanha que produziu, pelo trabalho realizado e pelo empenho.
Estranhamente, tendo em atenção a vantagem obtida em 2005, o PS não fez uso do seu teórico avanço face aos adversários e escolheu um caminho de campanha muitas vezes em registo de baixa qualidade, de ataque pessoal. Também estranhamente, com o eleitorado aparentemente consolidado faltou a renovação. Por outro lado é possível que os dirigentes locais tenham sentido receio e tenham decidido que tinham que ser os “santos da casa a fazer milagres”. Mas a verdade é que se retirarmos o presidente, que mudou há 8 anos substituindo Joaquim Cêrca, os restantes vereadores tem sido os mesmos há 16 anos. Foi o próprio PS que anunciou aos sete ventos que iria proceder a renovações internas e nas suas listas. Para espanto de todos, inclusivamente dos militantes, as mudanças ficaram-se por uma ou duas pessoas na Comissão Política. As listas são as mesmas e a ordem dada para a sua formação foi a de manutenção de todos os elementos.
O PSD, coligado com o CDS-PP, apresentou-se quatro anos depois com o mesmo candidato. Depois de uma intensa participação na vida política do concelho durante os quatro anos em que Miguel Rodrigues foi vereador e líder da oposição, a estrutura local resolveu reconduzir o candidato. E se há 4 anos faltou tempo para preparar uma campanha sólida e eficaz, o mesmo não aconteceu este ano. Nos debates na rádio, na internet e na comunicação, o candidato do PSD foi claramente superior. Na rádio poucas foram as hipóteses que Miguel Rodrigues deu aos seus adversários que se limitaram a responder às suas propostas e pouco ou nada conseguiram apresentar ao eleitorado para além de um evidente nervosismo e pouco à-vontade. Nos comícios, mais uma vez, Miguel Rodrigues esteve ao nível de um líder partidário nacional, sempre muito à-vontade e com um discurso positivo de apresentação de ideias e muito raramente referindo-se ao PS. Também no contacto com a população, o PSD/CDS-PP fez mais do que há quatro anos ao deslocar-se a todas as freguesias não só em campanha como em pré-campanha e por diversas vezes.
Em termos de comunicação e qualidade de campanha, pelo seu positivismo e contributo para um debate que o PS sempre recusou o vencedor é claro. Também ao nível de conteúdo programático fica bem claro de que lado estão as propostas mais realistas e, sobretudo e muito importante, as propostas que foram pensadas com cuidado para o concelho.
Caberá agora aos alijoenses a última palavra.
 
Luís Almeida
publicado por Luís Almeida às 19:00