Vejo-me, infelizmente, condicionado na escolha do tema desta semana, sob pena de me acusarem de não estar suficientemente actualizado mas quando dói… dói!

Quando criei um site e mais tarde este blog o meu humilde objectivo foi mostrar o Pinhão ao mundo via web, algo que na altura, não acontecia. Estou longe do aparato gráfico de outros sites e da exigência informativa que desejaria, mas todas as noites, perco uma ou duas horas a melhorar certos pormenores. Tão pequenos ao ponto de por vezes nem se dar por isso. O meu trabalho não é perfeito e muito menos é pago, faço-o porque acredito naquilo que publico, faço-o porque acho importante mostrar o que temos, seja bom ou mau.

Não criei estas ferramentas na web para protagonismo próprio, primeiro porque já tenho o que preciso e depois acharia repugnável utilizar a terra que amo como catapulta para o que quer que fosse. Infelizmente já reparei que muitos dos defensores do Pinhão que por aí andam querem mesmo é protagonismo, porque mesmo anónimos, como tenho dito, “têm o rabo de fora”. As minhas intenções foram, são e serão sempre nobres no cumprimento daquilo que considero ser um dever cívico.

Nunca, em circunstancia alguma, insultei quem quer que fosse ou permiti que o fizessem através dos sites. Nunca fui indelicado com ninguém via web, limito-me a responder na mesma letra quando o considero indispensável e necessário para defender a minha imagem.

Respeito todos aqueles que me respeitam e nunca faltei ao respeito a quem quer que fosse via web ou pessoalmente, e se o fiz, foi inocentemente. Não tenho por hábito fazer coisas com segundas intenções, quem verdadeiramente me conhece, sabe-o.

Agora não admito, nunca, ser insultado na “minha casa” por cobardes que não sabem assinar e muito me espanta que tenham descoberto o botão iniciar do seu computador. Sou como sou, arrogante ou não, bonito ou feito, alto ou baixo, magro ou gordo, apenas admito este tipo de apreciações aos meus amigos e/ou a quem assuma o que diga. Não respeitarei, nem poderei fazê-lo, comentários anónimos que me insultem e não aceitarei que a minha imagem seja deturpada em público sem razão aparente.

Reconheço nas pessoas que aqui vêm insultar-me uma inveja tremenda e uma incapacidade tais que não lhes permitem identificar-se. São pessoas que me odeiam por eu ter os conhecimentos que tenho e que estão dispostas a deitar-me abaixo só para que ninguém, mais culto, as possa bater. Só que felizmente eu não sou o único… São pessoas que se refugiam no argumento de que a minha maior e melhor formação faz de mim não uma pessoa melhor e mais capaz de ajudar a minha terra mas sim um arrogante convencido e superior. São pessoas… que… enfim…

Saber escrever, ser inteligente, ser culto, ser perspicaz são qualidades que engrandecem qualquer ser humano e motivos suficientes para reconhecimento das pessoas. Só para esta malta de visão muito retraída e muito mesquinha é que saber escrever significa algo de muito grave e odioso, quase uma maldição, um pecado, um gravíssimo defeito. Lamento…

Que fiquem claros alguns aspectos:

 - talvez hoje me vejam ser pela primeira vez arrogante e convencido, mas sou-o apenas perante esses anónimos encapuçados de vergonha e inveja, quem me conhece sabe as minhas verdadeiras virtudes e qualidades e só esses me poderão definir;

 - nunca fiz propaganda sobre aquilo que sei ou que deixo de saber, ou sobre se sei escrever bem ou mal, ou se sou inteligente ou burro, nem nunca o farei, quem o constatar é que me deverá dizer, se o entender, porque nunca me exibi ou exibirei por ter isto ou aquilo ou ser isto ou aquilo;

 - eu até sou capaz de perceber quem me insulta… mas gostava de ver um pouco de carácter e atitude, muitas pessoas elegeram-me inimigo, quando eu dei aquilo que sabia e podia à minha terra e como viram o sucesso daqueles que comigo estavam, hoje sentem-se com remorsos e remoídos por esse punhado de gente ter alcançado esses objectivos, lamento porque eu gostava era de ter todos comigo, mas na altura só apareceram os que acreditaram em mim e não me julgaram com preconceitos… e não se deram nada mal!

 - orgulho-me daquilo que sou, orgulho-me da minha formação e educação, orgulho-me por estar em Lisboa num meio académico onde posso cultivar o meu pensamento de uma forma diferente; orgulho-me das qualidades que tenho, orgulho-me dos defeitos que tenho, sei quem sou, o que sou e como sou, orgulho-me disso e até que me provem concretamente as acusações que me têm feito nada temerei e nada terei que explicar a quem quer que seja, muito menos a cobardes.

Acima de tudo respeito quem me respeita, e estes anónimos apenas demonstram uma falta de respeito e uma inveja que eu nunca poderei tolerar.

Para concluir, e para que fique de uma vez por todas esclarecido, continuarei a permitir comentários livres no blog mas assiste-me o direito de os apagar se provenientes de anónimos que venham apenas para mandar “postas de pescada” e insultar as pessoas sérias que vêm a este blog.

Hoje, dou por terminado este assunto, e nunca mais me ouvirão falar sobre isto. Domingo, lançarei um novo texto subordinado à temática das festividades de Nossa Senhora da Conceição que se aproximam na nossa vila.

Obrigado pela atenção e peço desculpa aos leitores por os maçar com esta explicação mas que considerei necessária dado o estado a que as coisas estão a chegar.

Este blog é para o Pinhão e do Pinhão independentemente de quem o administre, vamos, por favor, usá-lo construtivamente e deixar-mo-nos de invejas e ódios cujos resultados estão à vista.

 

Até Domingo

Luís Manuel Almeida

(MECpb-ISTLisboa2006)

 

sinto-me: Força Portugal
publicado por Luís Almeida às 00:42