Fruto da agenda social, que condicionou o meu ultimo texto e sofrendo eu de alguma “preguicite aguda”, eis que só agora cumpro a promessa deixada em 18 de Agosto de 2008. Quase um mês depois!
A promessa era a de falar sobre o ano que se avizinha no Pinhão.
Sendo ano de autárquicas a principal temática não podia ser outra. Começa a movimentação do xadrez político com as forças partidárias a posicionarem as suas peças de acordo com a conjuntura.
Apesar da freguesia aparecer no fim da linha hierárquica, também já se notam algumas movimentações no Pinhão. O actual presidente da Junta não confirma nem desmente uma próxima candidatura. Habitualmente o Pinhão não tem mais do que 2 mandatos confiados à mesma pessoa/lista. No presente caso também não parece haver descontentamento que justifique a alteração da opção socialista que provavelmente sairá vencedora.
Estranho é que os socialistas continuem a adiar a indicação do seu candidato à Câmara quando a Comissão Política que conduzirá o processo já foi eleita e a oposição já apresentou o seu candidato antes do Verão. Também é verdade que não há muitas duvidas sobre o candidato rosa.
No entanto há, a meu ver, um pequeno detalhe que poderá alterar toda a conjuntura e fará certamente o PS mover as suas peças no Pinhão. Se a indefinição no PS é grande, no PSD ainda é maior pelo menos cá, ou pelo menos aparenta ser. Ainda não há indicação nem de nomes, nem de possíveis candidatos laranjas ao Pinhão. Muitos apostam que o candidato derrotado em 2005 tentará de novo a sua sorte beneficiando de uma certa contestação que cresce à gestão socialista no concelho e por consequência na freguesia. Mas o resultado dos “laranjas” em 2005 foi um dos piores dos últimos tempos. Não por demérito do candidato mas pelo poderio que o PS tinha na altura.
Surgem também algumas vozes de claros militantes do PSD a apontar outros nomes. Os tais que fariam o PS mudar a sua estratégia. E são esses que preocupam os socialistas, ou pelo menos deveriam. A vila do Pinhão tem atravessado difíceis momentos que levaram os seus habitantes a exigir mais do que há dez ou quinze anos atrás. Hoje pede-se resolução efectiva de problemas que muitas vezes não podem ser resolvidos pela autarquia local. Daí que é normal que se exija alguém com mais disponibilidade para assumir a Junta de Freguesia do Pinhão.
Pedro Perry tem sido nesse aspecto uma mais-valia. A sua disponibilidade para resolver os problemas no imediato e o seu trabalho nestes 8 anos, sempre ao lado das lutas populares, tem-lhe valido a admiração e apoio de muitos pinhoenses. Mas parece que mesmo assim eles pedem mais. E pedir é fácil…
Será neste novo quadro que as forças politicas que se apresentaram às autárquicas e terão que escolher as suas peças. O perfil do próximo presidente da Junta do Pinhão passará muito pelo do actual mas exigirá também novos desafios e novas disponibilidades que Pedro Perry também tem. Mas caso se opte pela alteração de candidato há nomes e há pessoas que poderão fazer a diferença. Os socialistas deverão engolir o orgulho e chamar a verdadeira e única opção que poderá fazer face ao previsível ataque em força do PSD.
 
NOTA: A freguesia do Pinhão faz 75 anos na próxima Sexta. A data será comemorada no Sábado com destaque para um video/documentário sobre a efemeride pelas 18h.
 
Luís Manuel M. A.
sinto-me:
publicado por Luís Almeida às 10:15